O traumatismo craniano é uma lesão grave que pode causar danos cerebrais irreversíveis, afetando a qualidade de vida e o tempo de vida das pessoas. O tratamento é complexo e depende da gravidade da lesão, mas a terapia com tranexâmico tem sido uma opção de tratamento promissora.

O estudo clínico CRASH III recrutou mais de 12 mil pacientes em 175 hospitais em todo o mundo. Os pacientes foram divididos em dois grupos, um que recebeu terapia com tranexâmico em até três horas após o traumatismo craniano e outro que recebeu placebo. Os resultados indicaram uma redução significativa na taxa de mortalidade em 14 dias entre os pacientes que receberam tranexâmico. A taxa de mortalidade foi de 18,5% no grupo placebo em comparação com 17,4% no grupo de terapia com tranexâmico.

Além disso, a pesquisa revelou que os pacientes que receberam terapia com tranexâmico apresentaram menor incidência de morte causada por sangramento no cérebro. A pesquisa também avaliou a taxa de incapacidade em seis meses após o traumatismo, e a terapia com tranexâmico não afetou significativamente o status funcional dos pacientes.

Embora a terapia com tranexâmico já fosse utilizada em outras lesões traumáticas, este estudo é o primeiro estudo randomizado controlado a avaliar a eficácia da terapia em pacientes com traumatismo craniano. Os resultados são promissores e reforçam a importância da administração rápida do tratamento.

Em conclusão, o estudo clínico CRASH III indicou que a terapia com tranexâmico é uma opção segura e eficaz no tratamento de pacientes adultos com traumatismo craniano. O tratamento mostrou redução na taxa de mortalidade e na mortalidade causada por sangramento no cérebro. É importante destacar que a administração rápida da terapia é crucial para garantir melhores resultados no tratamento do traumatismo craniano.